quarta-feira, 20 de outubro de 2021

Tanque da Rodagem: esperança que brota da terra por meio do plantio de árvores doadas pelo GT de Juventudes da Rama


O apoio e a solidariedade chegam de todas as maneiras no acampamento Fátima Barros, em Tanque da Rodagem, no cerrado maranhense. No último final de semana, o Grupo de Juventudes da Rede de Agroecologia do Maranhão (Rama), por meio da campanha Plante Árvores, encaminhou para o território quilombola cerca de 50 mudas (mamão, laranja, cupuaçu, juçara, ipê, tamarindo, ata) como forma de resistência ao monocultivo da  soja, que tentam instalar na reunião. 

Há cerca de 40 dias, a vegetação dos territórios de Tanque da Rodagem e São João foi totalmente devastada, sob o comando de agricultores da soja. Os quilombolas montaram acampamento em protesto e desde o dia 10 de setembro aguardam a presença da Secretaria Estadual do Meio Ambiente (SEMA) para registro do crime ambiental.  Há informações que representantes da Secretaria foram ao município, mas não no acampamento Tanque da Rodagem para checar de perto a destruição da mata nativa. 

Sobre o Plante uma Árvore


As mudas foram cultivadas por  Ariana Gomes e Ivanessa Ramos, ambas do GT de Juventedes da Rama. Os integrantes do GT se comprometeram em cultivar mudas de espécies madeireiras, frutíferas e ornamentais. Todas ameaçadas de extinção por conta do avanço do Agronegócio, das queimadas e da monocultura. São vegetações que  englobam os biomas Cocais, Cerrado e Caatinga. 

O projeto Plante uma Árvore incentiva a participação dos jovens nas causas sociais que é de extrema importância para que a luta em prol da segurança alimentar, contra o Agronegócio. “Com certeza serão bem cuidadas, por mãos de gente que luta pelo território e pela permanência da diversidade do cerrado. Agora elas terão as raízes fincadas nas terras férteis de resistência e de gente lutadora”, afirmou Ariana Gomes. 

Solidariedade 

Os quilombolas há mais de 40 anos imprimem vida no território Tanque da Rodagem e São João, ambos reúnem muita ancestralidade. Recentemente se juntaram a eles, em uma rede de solidariedade, outros quilombolas, quebradeiras de coco babaçu, indígenas, agricultores familiares e camponeses. São mais de cem pessoas no acampamento Fátima Barros, às margens da MA 262 semeando vida por meio do encontro de saberes e vivências. 

Uso de agrotóxico liberado pela Sema

Outra grave denúncia envolve o território é que a SEMA concedeu Licenciamento Ambiental (nº 0000110/2018 – Atividade Agrossilvopastoril) que autorizou o uso de agrotóxico na fazenda Castiça. A propriedade fica dentro da comunidade quilombola de Tanque da Rodagem, o que seria necessário a realização de consulta prévia, conforme exige a legislação ambiental. 

A Comissão Pastoral da Terra, que acompanha a comunidade, expressa a urgência da presença da Secretaria Estadual de Meio Ambiente no território. As denúncias foram feitas por meio de matérias jornalísticas. 

No Licenciamento Ambiental (nº 0000110/2018 – Atividade Agrossilvopastoril) costa nos itens de 07 a 13, a regulamentação de como usar os agrotóxicos na fazenda Castiça. A autorização para uso de veneno está clara no documento emitido pela  SEMA. Consta ainda orientação para uso do terrível  glifosato, que envenena lençóis freáticos, sendo ele vetado o seu uso por aeronaves. 

Problemas de saúde 

Os quilombolas reclamaram de coceira e alergia pelo corpo. Uma quilombola, falou: “vamos caçar o coco babaçu no mato e quando voltamos de lá,  a pele está encarouçada”, denunciou. Outro quilombola falou sobre o clima constante de ameaça e derrubadas das casas. “Só faltam passar por cima de nós”, alertou. Das mais de 60 famílias que moram no território, metade já se encontra desabrigada devido ao conflito com os plantadores de soja.

Sobre a comunidade Tanque da Rodagem

Desde 2013, tramita no Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) o processo de reconhecimento da área como território quilombola. No entanto, a última movimentação no processo do Tanque de Rodagem foi em 2017. Sem a documentação definitiva da posse, os moradores não conseguem avançar com a regulamentação das moradias e nem acessam linhas de crédito para a produção agrícola. Os primeiros quilombolas a ocuparem a área onde está o Quilombo Tanque de Rodagem chegaram na década de 1970. O terreno fica na beira da rodovia MA-262, onde os moradores já organizaram a divisão do território, com casas e plantações para o sustento da comunidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Mais vistas